Pular para o conteúdo principal

VARIAÇÕES NA TONALIDADE BORDÔ EM GRANITO PEGMATÍTICO EM PEDREIRA NO MUNICÍPIO DE PEDRA LAVRADAPB.

RESUMO.

 O município de Pedra Lavrada, localizado no seridó paraibano, destaca-se pela exploração mineral tanto para fins industriais como ornamentais, à frente de vários outros da Província Pegmatítica Borborema. Os granitos pegmatíticos ou simplismente pegmatitos, afloram em grande parte dos terrenos cristalinos do município. O extrativismo mineral dá suporte à sustentabilidade econômicae à qualidade de vida de centenas de garimpeiros que vendem seus produtos a grandes empresas, garantindo melhorias na qualidade de vida das suas famílias. 

A extração de rochas ornamentais tem um perfil diverso do garimpo, a qual explora grandes corpos de granito pegmatítico de forma ordenada, utilizando tecnologia avançada para extrair grandes blocos de rocha. A Pedreira Tamanduá, localizada no sítio homônimo, é um exemplo paradoxal entre a lavra rudimentar do garimpo e a mecanizada para fins ornamentais. Ambos têm em comum a geração de enormes passivos ambientais. A pedreira em tela, atualmente desativada, explorou um grande corpo de granito a pegmatíto englobando enclaves de granada biotitaxisto, caracterizando-o geneticamente como plúton posicionado na base da camada xistosa, revelando o fenômeno da “fusão parcial” da rocha encaixante. Torna-se evidente a estreita relação entre a variedade de tonalidades “bordô” do corpo granítico e o fenômeno da “fusão parcial” por neoformação da granada e pela migração do ferro da rocha encaixante para o pegmatito. 

O granito explorado na referida pedreira foi denominado popularmente de “quatro estações” de acordo com a variação da tonalidade. Tal fato, associado à heterogeneidade textural e à abundância de xenólitos de xisto deletérios à rocha ornamental, dificultou sua padronização para comercialização no mercado consumidor, culminando com a desativação da pedreira. Consequentemente foi gerado um grande problema ambiental com o abandono dos blocos de todas as dimensões no entorno da pedreira, os rejeitos finos estão sendo gradativamente carreados para a bacia de um pequeno açude a jusante e a recuperação da área degradada por desmatamento não foi feita, gerando danos ao meio ambiente local. Palavras chave: Pedreira, Degradação, Rejeito, Rochas ornamentais, Pavimentação.

Autores do trabalho: Francisco de Assis Souza,Antônio de Pádua C. de Lima Sobrinho, Augusto César R. de Lima, Antônio Renato Gadelha Brito, Gilcélio Cordeiro Costa.


Leia o trabalho completo nos ANAIS DO IV CONGRESSO BRASILEIRO DE ROCHAS ORNAMENTAIS • VIII SIMPÓSIO DE ROCHAS ORNAMENTAIS DO NORDESTE- Página 300.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(VIDEO) ENGº DE MINAS DA CIDADE DE PICUÍ FOI DESTAQUE NO DOMINGO ESPETACULAR

Em Pindobaçu (BA), conhecida como a capital mundial da esmeralda, garimpeiros encontraram recentemente uma preciosidade que pode valer dezenas de milhões de reais. Trata-se de uma rocha de 1,30 m e 365 kg, cravejadas de esmeraldas, um verdadeiro tesouro geológico debaixo do solo brasileiro. O Domingo Espetacular entrou na mina de origem da pedra e mostra qual deve ser o destino dela. Acompanhe! Na o ocasião o   Engenheiro de Minas, da cidade de Picuí, Paraíba,  Marcelo Araújo Santos,  formado pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Falou sobre a mina.
Veja a reportagem: 




Setor mineral em foco com domingo espetacular.

MINERAL RARO PODE TER SIDO ENCONTRADO EM FREI MARTINHO PARAÍBA

A MINA ESCOLA EM SANTA LUZIA PODE SER USADA PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DE MINERAÇÃO.

A Mina Escola  fica  localizada as margens da BR-230 que corta o Sertão do Estado da Paraíba, quem passa pela cidade de Santa Luzia com destino à  Patos ou de Patos destino à Campina Grande,  consegue ver suas instalações.
Segundo o técnico em Mineração Antônio de Pádua Sobrinho, a Mina Escola   apesar de está desativada continua sendo um  verdadeiro laboratório podendo  ser utilizada para a realização de  aulas práticas para  estudantes de Engenharia de Minas, de Geologia, e de técnicos em mineração ou até mesmo como ferramenta para projetos que buscam o desenvolvimento da Mineração no Estado. “Percorrendo as instalações da Mina é possível observar que muitas aulas podem ser ministradas no local, como de Geologia, Lavra, desmonte de rochas e beneficiamento de Minérios, ou quem sabe utiliza-la  para o turismo,tendo em vista o seu valor histórico e cultural,  em sua maioria desconhecido pelas gerações mais jovens,  seria  uma forma de preserva esse patrimônio  como acontece em algumas M…