Pular para o conteúdo principal

TRÊS TECNOLOGIAS QUE PODEM MUDAR A MINERAÇÃO



Por Jony Peterson de Oliveira Lima


Pessoal, tudo bem? Este artigo surgiu a partir de umas das pesquisas que fiz para criar uma lógica para uma macro. Observei que a tecnologia é uma ferramenta para criação de sonhos, pois quando se imagina algo novo ou tentamos melhorar algum processo, sonhamos com aquilo, daí utilizamos a tecnologia para torná-lo realidade.Citando um personagem de revistas em quadrinho o pai do Tony Stark (o homem de ferro da Marvel), Howard Stark “Tudo é possível com a tecnologia”.
Irei apresentar aqui três tecnologias que já existem, estão evoluindo e que com criatividade e sonhos podem mudar a mineração:
Impressão 3D
A impressão 3D, ou Fused Deposition Modeling (FDM) (modelagem por fusão e depósito) funciona basicamente através da adição de camadas sobrepostas. Os objetos são impressos camada por camada até ser moldada a forma final. Para se criar um objeto a ser impresso em 3D, ele deve ser desenvolvido em um computador. 


Exemplo de impressão 3D de uma imagem digitalizada.

O mercado das impressoras 3D expandiu muito nos últimos anos e já existem fabricantes brasileiras do produto. Ou seja, para adquirir a máquina pode-se optar por um modelo importado, ou um fabricado aqui mesmo, no Brasil. No Mercado Livre há diversas opções do produto, com preços que variam entre R$ 2.300 a R$ 19.599.
Um grande problema relacionado a mineração na minha visão é a aquisição de peças e equipamentos, pois como são muito específicos, alguns são importados. A demora na compra impacta diretamente na disponibilidade física do equipamento (já falei sobre este assunto no artigo http://sobrinhopicui.blogspot.com.br/2016/08/indicadores-chave-de-desempenho-por.html). Imaginem, então, as empresas que estas peças de reposição fossem criadas pela impressora 3D, que na sua maioria são em um polímero mais resistente ou borracha, a empresa que vendeu o equipamento iria disponibilizar o arquivo para impressão 3D, arquivo este já normatizado, patenteado e protegido para evitar uma adaptação que prejudique o equipamento, e apenas seria impresso quando fosse necessário, reduzindo o tempo de retorno no equipamento ao serviço e reduzindo custos também de armazenagem de peças.

Realidade Virtual
É uma tecnologia de interface avançada entre um usuário e um sistema operacional. O objetivo dessa tecnologia é recriar ao máximo a sensação de realidade para um indivíduo, levando-o a adotar essa interação como uma de suas realidades temporais. Para isso, essa interação é realizada em tempo real, com o uso de técnicas e de equipamentos computacionais que ajudem na ampliação do sentimento de presença do usuário.
Desde 1995 se popularizou o termo realidade virtual, pois a indústria de entretenimento sobretudo a de games, utiliza em seus jogos esta tecnologia para imersão em ambientes 3D, alguns com controles de direção de movimento e outro com a utilização de dispositivos físicos como carros e bicicletas.
Atualmente estão muito popularizados os óculos VR. Com eles, o efeito 3D é mais potente, aumentando a sensação de imersão no ambiente virtual, pois funciona da seguinte forma: com o uso da estereoscopia, a ilusão de profundidade é criada, apresentando mais um elemento de imersão para a realidade virtual. Para que isso aconteça, duas imagens diferentes são geradas, uma para cada olho. O efeito consiste na interpretação do cérebro de que as duas imagens na realidade são uma só. A tecnologia que primeiro começou com fotos, hoje é utilizada em filmes e ambientes tridimensionais gerados por computador.


Óculos de VR utilizando ambiente simulado



O grande destaque desses óculos modernos é a capacidade de interagir em sincronia com o movimento da cabeça do usuário. Diferente dos óculos de cinema e brinquedos como o “View-Master” (aquele verde e vermelho). Ao utilizar o Oculus VR, a visão é completamente sobreposta por um visor 3D. A imagem gerada não permanece estática em um único ponto, ela acompanha a movimentação do usuário.
Imagine a possibilidade de projetar uma cava ou galeria subterrânea, em seguida dar uma volta na mina, com a velocidade de um carro a 40km/h ou também andar a pé em toda a bancada, subindo e descendo uma rampa para sentir a sensação de um operador de caminhão. Caminhar numa topografia recém - levantada, verificando se uma berma está com tamanho reduzido, verificando o trânsito do caminhão nesta via. Outra possibilidade seria um monitoramento de vias, caso o levantamento topográfico fosse levantado com um nível de detalhe que pudesse ser demonstrado em um ambiente virtual, ou seja, reduzir o tempo da mina e aumentar a análise em um ambiente mais próximo do real, com a experiência imersiva no ambiente mineiro para tomada de decisão e/ou planejamento estratégico.
Realidade Aumentada
Realidade aumentada ou RA é uma tecnologia que permite que o mundo virtual seja misturado ao real, possibilitando maior interação e abrindo uma nova dimensão na maneira como nós executamos tarefas, ou mesmo as que nós incumbimos às máquinas. Assim, se você pensava que objetos pulando para fora da tela eram elementos de filmes de ficção científica, está na hora de mudar seus conceitos. Aliás, o que acontece com a Realidade Aumentada é o contrário: você pulará para dentro do mundo virtual para interagir com objetos que só estão limitados à sua imaginação.
A Realidade Aumentada teve sua origem em algo muito simples: etiquetas. Os códigos de barras não estavam mais cumprindo com perfeição a tarefa de carregar todas as informações que se queria obter através de sua leitura. Por isso, foram criados os códigos 2D (duas dimensões), que permitiam o armazenamento de muito mais informação do que os códigos de barras.
Exemplo de imagem com código 2D (QRCore):





Os códigos bidimensionais são justamente os responsáveis pela possibilidade de projetar objetos virtuais em uma filmagem do mundo real, melhorando as informações exibidas, expandindo as fronteiras da interatividade e até possibilitando que novas tecnologias sejam utilizadas, bem como as atuais se tornem mais precisas. A Realidade Aumentada é utilizada combinando um código de duas dimensões com um programa de computador.
Para visualizar um QRCode, com o uso de um celular por exemplo, coloca-se o código na frente da câmera do celular, abre o software de leitura que efetuará a interpretação desta imagem, daí será exibido a informação deste código, que pode ser uma mensagem, informação, link, e etc.
A diferença entre realidade virtual e realidade aumentada: na primeira é a criação dessa experiência imersiva. É fazê-lo sentir estar em outro lugar ou vivendo coisas que, de fato, não existem. Por outro lado, a realidade aumentada faz o caminho inverso, a proposta da realidade aumentada é trazer esses elementos digitais para o nosso cotidiano. Isso significa que, na teoria, você poderia usar a realidade aumentada em seu dia a dia, inclusive durante o trânsito ou enquanto caminha no meio da rua.


Demonstração de maquete por realidade aumentada

Recentemente foi lançado o Pokemon Go, um jogo de realidade aumentada voltado para smartphones. Onde com o uso do GPS e a câmera do smartphone, o jogo permite aos jogadores capturar, batalhar e treinar criaturas virtuais, chamadas Pokémon, que aparecem nas telas dos dispositivos como se fosse um mundo real.
Imaginem então, eu adicionar no dispositivo o modelo de blocos de uma mina ou avanço de lavra, daí ir a mina e abrir o smartphone e posicionar a câmera no talude, iria ser demonstrado o modelo de blocos daquela bancada, demonstrando a todos a qualidade do minério. Outra opção seria posicionar a câmera na frente de uma pilha de minério, onde o aplicativo teria comunicação com o amostrador on-line, este demonstraria a qualidade do minério de toda a pilha. Ou uma barragem de rejeitos, posicionar a câmera e o aplicativo ler a quantidade de volumes cúbicos depositada, e informaria se estaria com a estabilidade.
Gostaria de deixar claro que a interação real com a mina, visita na cava, se sujar com o minério não deve ser trocado por estas tecnologias, e sim estas serem utilizadas para melhor descrição e análise, pois como se trata de um bem não renovável, a simulação reduz os custos com a lavra.
Por fim, conjecturei algumas possibilidades destas três tecnologias, porém temos infinitas possibilidades, devido a velocidade a qual elas evoluem e novas ideias e aplicações podem surgir. O mais importante é que você seja o agente criador destas tecnologias, seja idealizador destes sonhos, transformá-los em realidade. Para alcançar tal façanha, estudem sobre o assunto, sugiram aos seus professores uma linha de pesquisa em uma destas áreas, busque uma linha de financiamento para criação de projetos nestas temáticas. Uma dica que eu digo é carregar sempre um bloco de notas, quando surgir uma ideia anote no bloco, depois com calma analise, verifique se o que você conhece, consegue criar? Quanto custa para ser criado? Quanto tempo demoraria? Você praticará a habilidade de pensar fora da caixa, essa prática irá lhe fazer você ser um profissional de referência.
Espero que tenham gostado do artigo e qualquer dúvida enviar e-mail para jony_lima@yahoo.com.br.



Fontes:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(VIDEO) ENGº DE MINAS DA CIDADE DE PICUÍ FOI DESTAQUE NO DOMINGO ESPETACULAR

Em Pindobaçu (BA), conhecida como a capital mundial da esmeralda, garimpeiros encontraram recentemente uma preciosidade que pode valer dezenas de milhões de reais. Trata-se de uma rocha de 1,30 m e 365 kg, cravejadas de esmeraldas, um verdadeiro tesouro geológico debaixo do solo brasileiro. O Domingo Espetacular entrou na mina de origem da pedra e mostra qual deve ser o destino dela. Acompanhe! Na o ocasião o   Engenheiro de Minas, da cidade de Picuí, Paraíba,  Marcelo Araújo Santos,  formado pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Falou sobre a mina.
Veja a reportagem: 




Setor mineral em foco com domingo espetacular.

MINERAL RARO PODE TER SIDO ENCONTRADO EM FREI MARTINHO PARAÍBA

A MINA ESCOLA EM SANTA LUZIA PODE SER USADA PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DE MINERAÇÃO.

A Mina Escola  fica  localizada as margens da BR-230 que corta o Sertão do Estado da Paraíba, quem passa pela cidade de Santa Luzia com destino à  Patos ou de Patos destino à Campina Grande,  consegue ver suas instalações.
Segundo o técnico em Mineração Antônio de Pádua Sobrinho, a Mina Escola   apesar de está desativada continua sendo um  verdadeiro laboratório podendo  ser utilizada para a realização de  aulas práticas para  estudantes de Engenharia de Minas, de Geologia, e de técnicos em mineração ou até mesmo como ferramenta para projetos que buscam o desenvolvimento da Mineração no Estado. “Percorrendo as instalações da Mina é possível observar que muitas aulas podem ser ministradas no local, como de Geologia, Lavra, desmonte de rochas e beneficiamento de Minérios, ou quem sabe utiliza-la  para o turismo,tendo em vista o seu valor histórico e cultural,  em sua maioria desconhecido pelas gerações mais jovens,  seria  uma forma de preserva esse patrimônio  como acontece em algumas M…