Pular para o conteúdo principal

GOVERNO PROMOVE FÓRUM SOBRE ARQUEOLOGIA DA PEDRA DO INGÁ

A historiadora francesa Françoise Choay costuma dizer: “O monumento assegura, acalma, tranquiliza, assegurando o ser do tempo”. A afirmação pode servir de explicação para o fascínio que, há milênios, vem despertando a Pedra de Ingá, conjunto de figuras rupestres que formam as Itacoatiaras da Paraíba, considerado um dos maiores sítios arqueológicos do Brasil. A “Arqueologia da Pedra do Ingá – Enigma & Realidade” será o tema, deste mês, do Fórum Permanente de Ciência e Cultura do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep).
A palestra, com o professor e arqueólogo Wanderley de Brito, acontece no próximo dia 28, a partir das 14h, na sede do IHGP – Instituto Histórico e Geográfico Paraibano (Rua Barão de Abiaí, 64 – Centro de João Pessoa). A ideia é reunir, como público-alvo, professores, arqueólogos, arquitetos, bibliotecários, pedagogos, historiadores, jornalistas, cientistas sociais, turismólogos, secretários estaduais e municipais, estudantes e pesquisadores.
O evento está integrado à série Arqueologia Pré-Histórica (Paraíba) e é uma iniciativa do Governo do Estado, por meio do Iphaep, como apoio do IHGP e Sociedade de Arqueologia da Paraíba. A discussão sobre a Pedra de Ingá, no próximo dia 28, terá como mediadora a professora Cassandra Figuerêdo, diretora executiva do Iphaep, contando, ainda, com a presença de quatro debatedores: Carlos Azevedo, Márcia Albuquerque, Thomas Bruno e Cláudio Nogueira.
O coordenador do Fórum do Iphaep, professor e arqueólogo Carlos Azevedo, lembra que há centenas de estudos e pesquisas sobre a Pedra do Ingá. “São, muitas vezes, interpretações ousadas e especulativas. Outras querem decifrar as itacoatiaras comparando-as com os hieróglifos hititas, fenícios e assim por diante. São tantas interpretações, muitas que fogem à lógica, na maioria irracionalismo puro”, avalia Azevedo,
Ele lembra, porém, que há um trabalho a se destacar: o livro “A Pedra do Ingá – Itacoatiaras na Paraíba”, escrito, em 2011, pelo pesquisador campinense Wanderley de Brito. “O trabalho é uma pesquisa séria, rica e bem documentada. É, com certeza, o primeiro estudo exaustivo sobre a Pedra do Ingá, quase um tratado, que propõe uma interpretação sensata, baseada em vinte e cinco modelos comparativos de Itacoatiaras paraibanas, todos convergindo para Ingá”, comenta Azevedo. “Esse historiador de Campina Grande deu uma contribuição inestimável à arqueologia paraibana. Sem dúvida, a pesquisa abre novas perspectivas para o estudo da arte rupestre”, completou.
Na palestra, Brito vai esmiuçar todo o processo do trabalho, que resultou na publicação do livro. Ele revela: “Sempre quando visito a Pedra do Ingá, e me ponho na frente daquele quimérico conjunto de símbolos, de suprema elegância e detalhes curvilíneos, percebo que uma poderosa força preenche aquela pitoresca paisagem. E a Pedra do Ingá, apesar de inerte, sempre me parece querer exprimir uma sussurrante sequência rítmica, leve e soante, quase tão perfeita como a Nona de Beethoven”, lembrou.


SECOM-PB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(VIDEO) ENGº DE MINAS DA CIDADE DE PICUÍ FOI DESTAQUE NO DOMINGO ESPETACULAR

Em Pindobaçu (BA), conhecida como a capital mundial da esmeralda, garimpeiros encontraram recentemente uma preciosidade que pode valer dezenas de milhões de reais. Trata-se de uma rocha de 1,30 m e 365 kg, cravejadas de esmeraldas, um verdadeiro tesouro geológico debaixo do solo brasileiro. O Domingo Espetacular entrou na mina de origem da pedra e mostra qual deve ser o destino dela. Acompanhe! Na o ocasião o   Engenheiro de Minas, da cidade de Picuí, Paraíba,  Marcelo Araújo Santos,  formado pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Falou sobre a mina.
Veja a reportagem: 




Setor mineral em foco com domingo espetacular.

MINERAL RARO PODE TER SIDO ENCONTRADO EM FREI MARTINHO PARAÍBA

A MINA ESCOLA EM SANTA LUZIA PODE SER USADA PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DE MINERAÇÃO.

A Mina Escola  fica  localizada as margens da BR-230 que corta o Sertão do Estado da Paraíba, quem passa pela cidade de Santa Luzia com destino à  Patos ou de Patos destino à Campina Grande,  consegue ver suas instalações.
Segundo o técnico em Mineração Antônio de Pádua Sobrinho, a Mina Escola   apesar de está desativada continua sendo um  verdadeiro laboratório podendo  ser utilizada para a realização de  aulas práticas para  estudantes de Engenharia de Minas, de Geologia, e de técnicos em mineração ou até mesmo como ferramenta para projetos que buscam o desenvolvimento da Mineração no Estado. “Percorrendo as instalações da Mina é possível observar que muitas aulas podem ser ministradas no local, como de Geologia, Lavra, desmonte de rochas e beneficiamento de Minérios, ou quem sabe utiliza-la  para o turismo,tendo em vista o seu valor histórico e cultural,  em sua maioria desconhecido pelas gerações mais jovens,  seria  uma forma de preserva esse patrimônio  como acontece em algumas M…