Pular para o conteúdo principal

A PARAÍBA EXPLODIU HIROSHIMA?

Bernardo Camara

Pelos caminhos do sertão do Seridó, na Paraíba, as lendas brotam como xique-xique, e uma delas chama atenção pelo inusitado. Rica em minério, a região teria sido procurada por militares americanos durante a Segunda Guerra Mundial. Com seus jipes e cabelos claros, eles chegaram atrás do urânio, que enviavam à terra natal para a fabricação de armamentos bélicos. Foi a bomba atômica cair sobre os japoneses e os paraibanos não tiveram dúvida: o sertão tinha um pezinho na explosão de Hiroshima.

Em andanças pela cidade de Picuí, não faltam testemunhas da chegada dos ianques. “Eram uns galegões. Mister MacLaine, Mister Maclu, Seu Daivid”, recorda Valdo Medeiros de Araújo, de 80 anos. Garimpeiro, ele é um dos moradores que trabalharam na extração e venda de minérios para os americanos.


A história  é contada no documentário “Urânio Picuí – Produto brasileiro/Tipo exportação”, dirigido pelos jovens Tiago Melo e Antônio Carrilho. Nascido na região, Tiago cresceu ouvindo histórias de garimpo. A de Hiroshima não lhe saiu da cabeça, e quando terminou o curso de Cinema, decidiu que iria registrar toda a oralidade que rodava a região.

Ele passou quatro anos pesquisando as lendas de Picuí. Para tanto, não precisou de muito tempo em bibliotecas e arquivos públicos. Com pouquíssimo material escrito sobre o assunto, o levantamento foi in loco, no sofá das casas de antigos habitantes. “Nós fomos conversando com velhos garimpeiros e eles iam contando suas histórias”, diz, comentando que o “causo” da bomba atômica é dos mais populares: “Toda a cidade conhece”.

A irmã de Valdo, Rita Medeiros de Araújo, de 84 anos, é uma das que gostam de prosear sobre o tema. Ela tinha 26 quando chegaram os primeiros jipes, carregados de máquinas que as minas do sertão mal sabiam que existiam. Convidada a trabalhar na lavagem de roupa dos recém-chegados, ela sempre cruzava com os militares. “Tinha pouca conversa com eles. Mas com tanta pedra bonita, eles repetiam com aquele sotaque: ‘Brasil rico! Brasil rico!’”, relembra.


Tiago conta que os visitantes trouxeram o que havia de mais moderno na época para a extração dos minérios. “Eles chegavam às propriedades e deixavam maquinário, dinamite, compressor e outras ferramentas. Uma vez por semana, voltavam para recolher os equipamentos e pagavam pelo serviço desses garimpeiros um preço bem baixo”, diz. “Não havia leigos. Eles sabiam onde havia minério, já trabalhavam com isso em outros cantos”, afirma o cineasta. Com o material reunido, dirigiam-se para o Rio Grande do Norte, de onde mandavam o produto para os Estados Unidos de navio.


A presença dos americanos no sertão durou o período da guerra. Em 1945, arrumaram as malas e foram embora. De lembrança, deixaram algumas construções erguidas na época em que se instalaram em Picuí. E um bocado de histórias que continuam na boca e no imaginário do povo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(VIDEO) ENGº DE MINAS DA CIDADE DE PICUÍ FOI DESTAQUE NO DOMINGO ESPETACULAR

Em Pindobaçu (BA), conhecida como a capital mundial da esmeralda, garimpeiros encontraram recentemente uma preciosidade que pode valer dezenas de milhões de reais. Trata-se de uma rocha de 1,30 m e 365 kg, cravejadas de esmeraldas, um verdadeiro tesouro geológico debaixo do solo brasileiro. O Domingo Espetacular entrou na mina de origem da pedra e mostra qual deve ser o destino dela. Acompanhe! Na o ocasião o   Engenheiro de Minas, da cidade de Picuí, Paraíba,  Marcelo Araújo Santos,  formado pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Falou sobre a mina.
Veja a reportagem: 




Setor mineral em foco com domingo espetacular.

MINERAL RARO PODE TER SIDO ENCONTRADO EM FREI MARTINHO PARAÍBA

A MINA ESCOLA EM SANTA LUZIA PODE SER USADA PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DE MINERAÇÃO.

A Mina Escola  fica  localizada as margens da BR-230 que corta o Sertão do Estado da Paraíba, quem passa pela cidade de Santa Luzia com destino à  Patos ou de Patos destino à Campina Grande,  consegue ver suas instalações.
Segundo o técnico em Mineração Antônio de Pádua Sobrinho, a Mina Escola   apesar de está desativada continua sendo um  verdadeiro laboratório podendo  ser utilizada para a realização de  aulas práticas para  estudantes de Engenharia de Minas, de Geologia, e de técnicos em mineração ou até mesmo como ferramenta para projetos que buscam o desenvolvimento da Mineração no Estado. “Percorrendo as instalações da Mina é possível observar que muitas aulas podem ser ministradas no local, como de Geologia, Lavra, desmonte de rochas e beneficiamento de Minérios, ou quem sabe utiliza-la  para o turismo,tendo em vista o seu valor histórico e cultural,  em sua maioria desconhecido pelas gerações mais jovens,  seria  uma forma de preserva esse patrimônio  como acontece em algumas M…