Pular para o conteúdo principal

SOLOS DO NORDESTE GANHAM CARTILHA

Visando atender uma demanda crescente sobre a natureza dos solos e suas múltiplas funções, numa linguagem de fácil acesso, uma equipe de pesquisadores da Unidade de Execução de Pesquisa e Desenvolvimento de Recife (UEP Recife), vinculada à Embrapa Solos (Rio de Janeiro), elaborou uma cartilha ilustrada sobre as principais classes de solos da região Nordeste do Brasil.
Durante as diversas ações de pesquisa e desenvolvimento realizadas nos diferentes estados do Nordeste pelos técnicos da Embrapa, percebeu-se a dificuldade de identificação das principais classes de solos. "A carência de material com linguagem direta sobre os solos do Nordeste nos motivou a elaborar essa cartilha", destaca o pesquisador Flávio Adriano Marques, um dos idealizadores da obra.
A cartilha ilustrada, escrita numa linguagem clara e sucinta, traz fotos de perfis e de paisagens, e também informações sobre a área porcentual dos principais solos da região Nordeste, seus atributos morfológicos que auxiliam na sua identificação no campo, potencialidades e limitações, além de indicações de uso agrícola e não agrícola.
Além de Flávio Marques, trabalharam na elaboração da cartilha, os pesquisadores Alexandre Ferreira do Nascimento, José Coelho de Araújo Filho e Ademar Barros da Silva. Outro aspecto importante foi o seu projeto gráfico, que auxilia de maneira bastante didática o entendimento das classes de solo.
A cartilha é resultado do conhecimento adquirido ao longo de quase seis décadas de pesquisas realizadas pela Embrapa sobre os solos da região Nordeste, constituindo-se em uma ferramenta de grande relevância para uso em capacitações de técnicos, estudantes e multiplicadores de diferentes instituições, associações de agricultores, entre outros.
A UEP Recife
A UEP Recife foi criada pela Embrapa Solos para atender às demandas de pesquisa sobre os solos do Nordeste brasileiro. Suas pesquisas têm gerado conhecimentos que ampliam e dinamizam as atividades agropecuárias da região. Tem sido responsável pela realização de levantamentos sistemáticos de solo em diversos níveis e zoneamentos regionais e estaduais de grande importância. Além disso, busca a aproximação com a sociedade adotando estratégias inovadoras para a construção de conhecimentos e geração de tecnologias em prol do desenvolvimento do Nordeste brasileiro.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(VIDEO) ENGº DE MINAS DA CIDADE DE PICUÍ FOI DESTAQUE NO DOMINGO ESPETACULAR

Em Pindobaçu (BA), conhecida como a capital mundial da esmeralda, garimpeiros encontraram recentemente uma preciosidade que pode valer dezenas de milhões de reais. Trata-se de uma rocha de 1,30 m e 365 kg, cravejadas de esmeraldas, um verdadeiro tesouro geológico debaixo do solo brasileiro. O Domingo Espetacular entrou na mina de origem da pedra e mostra qual deve ser o destino dela. Acompanhe! Na o ocasião o   Engenheiro de Minas, da cidade de Picuí, Paraíba,  Marcelo Araújo Santos,  formado pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Falou sobre a mina.
Veja a reportagem: 




Setor mineral em foco com domingo espetacular.

MINERAL RARO PODE TER SIDO ENCONTRADO EM FREI MARTINHO PARAÍBA

A MINA ESCOLA EM SANTA LUZIA PODE SER USADA PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DE MINERAÇÃO.

A Mina Escola  fica  localizada as margens da BR-230 que corta o Sertão do Estado da Paraíba, quem passa pela cidade de Santa Luzia com destino à  Patos ou de Patos destino à Campina Grande,  consegue ver suas instalações.
Segundo o técnico em Mineração Antônio de Pádua Sobrinho, a Mina Escola   apesar de está desativada continua sendo um  verdadeiro laboratório podendo  ser utilizada para a realização de  aulas práticas para  estudantes de Engenharia de Minas, de Geologia, e de técnicos em mineração ou até mesmo como ferramenta para projetos que buscam o desenvolvimento da Mineração no Estado. “Percorrendo as instalações da Mina é possível observar que muitas aulas podem ser ministradas no local, como de Geologia, Lavra, desmonte de rochas e beneficiamento de Minérios, ou quem sabe utiliza-la  para o turismo,tendo em vista o seu valor histórico e cultural,  em sua maioria desconhecido pelas gerações mais jovens,  seria  uma forma de preserva esse patrimônio  como acontece em algumas M…