Pular para o conteúdo principal

CARTA DA GEODIVERSIDADE DA PARAÍBA

Foto: BLOGGEODIVERSIDADEPB
A Carta da Geodiversidade da Paraíba é um documento que foi elaborado durante o I Encontro Paraibano de Estudos sobre Geodiversidade(EPEGeod) realizado nos dias 31/10 e 01/11 de 2013, no Campus da UFPB em João Pessoa - PB.

Na oportunidade participaram do evento diversos pesquisadores e representantes de instituições como o IPHAN, CPRM, SUDEMA, UFPB, UEPB e UFRN para discutir a questão do geopatrimônio em nosso Estado.

Ao final do evento foi redigida a Carta, que busca nortear as ações no Estado em busca de uma maior valorização na conservação dos recursos abióticos aqui presentes.


Carta da Geodiversidade da Paraíba


Proposta apresentada pelo “I Encontro Paraibano de Estudos sobre Geodiversidade” e
aprovada em plenária


Os participantes do I Encontro Paraibano de Estudos sobre Geodiversidade (I EPEGeod), juntamente com representantes de instituições envolvidas com a pesquisa e proteção da geodiversidade (e seu Patrimônio Geológico) na Paraíba, nas esferas federal(CPRM, IPHAN/PB e UFPB) e estadual (SETDE/PB, SUDEMA/PB e UEPB), se reuniram nos dias 31 de outubro e 01 de novembro de 2013, no auditório do Departamento de Geociências da Universidade Federal da Paraíba, na cidade de JoãoPessoa, para apresentar experiências e discutir a temática.



Durante o I EPEGeod os participantes mostraram interesse/entusiasmo pela temática geodiversidade, sobretudo por seu caráter multidisciplinar, repercutindo em diversos setores produtivos, comunidades e fatores do desenvolvimento socioeconômico, como educação, turismo e meio ambiente. Os participantes destacaram a importância dageodiversidade na promoção da conservação do patrimônio geológico e seus diferentesusos (educativo, turístico entre outros).

Todos os participantes do I EPEGeod entenderam que a geodiversidade possui seus valores; que é bastante vulnerável; não renovável; e está sujeita a vários tipos de ameaças decorrentes de atividades humanas não planejadas, e de vários processos naturais. Diferentes iniciativas de geoconservação (vertente da geodiversidade que se preocupa com a proteção do patrimônio geológico), que incluem ações administrativas, atividades educativas e geoturísticas, estão sendo tomadas em nível mundial, e não poderia ser diferente em território paraibano, assim para isso recomenda-se que:

1) A geodiversidade (especialmente aquela considerada patrimônio geológico)
paraibana seja resguardada para as gerações futuras, como testemunho de uma
história geológica particular do Estado;


2) A geoconservação (conservação do patrimônio geológico) seja promovida pelo
desenvolvimento de políticas educativas de conservação da natureza e patrimonial, e pela efetiva aplicação de medidas governamentais estaduais;

3) O geoturismo seja tema recorrente em diferentes ações promovidas pelas entidades ligadas ao turismo paraibano, com o desenvolvimento de programas de geoturismo como forma de inclusão social, além de inserção do tema em material promocional do Estado;
4) Os cursos de graduação em Ciências da Terra, Turismo, Ecologia e correlatos em diferentes Instituições de Ensino Superior da Paraíba, incluam disciplinas que disseminem o conhecimento sobre a geodiversidade (e seu patrimônio geológico) e promovam o desenvolvimento científico, sob a ótica da conservação dosrecursos naturais;
5) Todo projeto envolvendo elementos da geodiversidade, seja baseado em um sólido conhecimento sobre o meio físico da área, e que a comunidade participe e receba informação científica correta, em linguagem acessível, sobre o patrimônio geológico e os projetos a ele associados;


6) Fomentar o desenvolvimento de iniciativas empreendedoras junto às comunidades,
no sentido de uma maior participação das mesmas no que se refere ao uso (usofruto) dos bens naturais e culturais.



Instituições que subscrevem esta Carta:
• Serviço Geológico do Brasil – CPRM;
• Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN / PB;
• Secretaria de Turismo e Desenvolvimento Econômico da Paraíba – SETDE;
• Superintendência de Administração do Meio Ambiente da Paraíba –
SUDEMA;
• Universidade Estadual da Paraíba – UEPB;
• Universidade Federal da Paraíba – UFPB.



João Pessoa, 01 de Novembro de 2013.



Fonte: BLOGGEODIVERSIDADEPB.

LINK: http://geodiversidadepb.blogspot.com.br/2014/07/carta-da-geodiversidade-da-paraiba.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(VIDEO) ENGº DE MINAS DA CIDADE DE PICUÍ FOI DESTAQUE NO DOMINGO ESPETACULAR

Em Pindobaçu (BA), conhecida como a capital mundial da esmeralda, garimpeiros encontraram recentemente uma preciosidade que pode valer dezenas de milhões de reais. Trata-se de uma rocha de 1,30 m e 365 kg, cravejadas de esmeraldas, um verdadeiro tesouro geológico debaixo do solo brasileiro. O Domingo Espetacular entrou na mina de origem da pedra e mostra qual deve ser o destino dela. Acompanhe! Na o ocasião o   Engenheiro de Minas, da cidade de Picuí, Paraíba,  Marcelo Araújo Santos,  formado pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Falou sobre a mina.
Veja a reportagem: 




Setor mineral em foco com domingo espetacular.

MINERAL RARO PODE TER SIDO ENCONTRADO EM FREI MARTINHO PARAÍBA

A MINA ESCOLA EM SANTA LUZIA PODE SER USADA PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DE MINERAÇÃO.

A Mina Escola  fica  localizada as margens da BR-230 que corta o Sertão do Estado da Paraíba, quem passa pela cidade de Santa Luzia com destino à  Patos ou de Patos destino à Campina Grande,  consegue ver suas instalações.
Segundo o técnico em Mineração Antônio de Pádua Sobrinho, a Mina Escola   apesar de está desativada continua sendo um  verdadeiro laboratório podendo  ser utilizada para a realização de  aulas práticas para  estudantes de Engenharia de Minas, de Geologia, e de técnicos em mineração ou até mesmo como ferramenta para projetos que buscam o desenvolvimento da Mineração no Estado. “Percorrendo as instalações da Mina é possível observar que muitas aulas podem ser ministradas no local, como de Geologia, Lavra, desmonte de rochas e beneficiamento de Minérios, ou quem sabe utiliza-la  para o turismo,tendo em vista o seu valor histórico e cultural,  em sua maioria desconhecido pelas gerações mais jovens,  seria  uma forma de preserva esse patrimônio  como acontece em algumas M…