Pular para o conteúdo principal

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SÃO MAIS ALTOS EM CIDADES PARAIBANAS COM COOPERATIVAS

Foto: André Pacelli
“Cooperativas conquistam desenvolvimento sustentável para todos”. Este foi o tema escolhido pela Aliança Cooperativa Internacional (ACI) para o 92º Dia Internacional do Cooperativismo, celebrado neste sábado. Na Paraíba, o setor já atinge esta meta, segundo alguns indicadores socioeconômicos. Dados do Sistema OCB/PB (Sindicato e Organização das Cooperativas da Paraíba) mostram que em 36 municípios onde há cooperativas, a média do IDH é de 0,619 – 6,4% maior que a média das cidades onde não há cooperativas (0,582). Foi verificado, ainda, que nos municípios paraibanos onde o cooperativismo está presente o PIB per capita é 47,9% maior que o das demais localidades.

“Nossas cooperativas, em cada ramo, têm tido participação destacada na economia, gerando crescimento econômico e incremento social na região onde elas estão inseridas”, avalia o presidente do Sistema OCB/PB, André Pacelli (Foto) Conforme dados da entidade, existem no estado pelo menos 139 cooperativas ativas em 13 ramos econômicos. Estas cooperativas envolvem diretamente mais de 50 mil pessoas, entre cooperados e trabalhadores.

“Considero que já temos um número expressivo de cooperados e de empregados. Vale frisar que estes são empregos diretos, sem contar com os indiretos. Por exemplo, o sistema Unimed movimenta toda uma cadeia composta por clínicas privadas, hospitais e laboratórios, que emprega uma massa importante e qualificada. Sem contar que os empregos gerados por nossas principais cooperativas dos ramos saúde e crédito tem uma massa salarial relativamente alta”, destaca André Pacelli.
Mais fortes nos principais centros urbanos do estado, as cooperativas de saúde e de crédito se destacam em número de cooperados, trabalhadores e participação no mercado. Mas o presidente do Sistema OCB/PB observa que, nos últimos anos, o setor também cresceu em outras áreas com o surgimento de novas cooperativas em ramos como transportes, agricultura familiar e trabalho (assistência técnica rural) e MINERAÇÃO.

O cooperativismo de transportes, por exemplo, foi impactado pelo crescimento do turismo e por novidades como a nova lei que regulamenta o transporte alternativo. Para a presidente da cooperativa Extremo Transportes e Turismo, Paola Frassinete, o setor cresceu pela necessidade dos próprios empreendedores do setor. “A cooperativa é uma forma de o pequeno ter empresa. E a área de transportes foi uma das que avançaram mais. Eu acredito que, até por causa desta nova lei do transporte complementar, vão surgir ainda mais cooperativas”, comentou.
Paola lembra que para o setor cooperativista crescer é preciso que cada vez mais pessoas entendam o que é uma cooperativa e como o setor funciona. “Cooperativas são pessoas que juntam para que haja crescimento equitativo de todos”, resume.
Potencial para avançar – O economista Rafael Bernardino, que tem atuado como consultor em vários setores do cooperativismo paraibano, acredita que o modelo cooperativista pode ser uma das soluções para o crescimento da economia paraibana. “É preciso que as pessoas tomem conhecimento e entendam que a empresa cooperativa é a melhor alternativa para a organização econômica da sociedade, quando não se pode contar com elevada quantidade de empreendedores detentores de capital para investimentos produtivos, como é o caso do estado da Paraíba”, 

Fonte: http://www.paraibacooperativo.coop.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(VIDEO) ENGº DE MINAS DA CIDADE DE PICUÍ FOI DESTAQUE NO DOMINGO ESPETACULAR

Em Pindobaçu (BA), conhecida como a capital mundial da esmeralda, garimpeiros encontraram recentemente uma preciosidade que pode valer dezenas de milhões de reais. Trata-se de uma rocha de 1,30 m e 365 kg, cravejadas de esmeraldas, um verdadeiro tesouro geológico debaixo do solo brasileiro. O Domingo Espetacular entrou na mina de origem da pedra e mostra qual deve ser o destino dela. Acompanhe! Na o ocasião o   Engenheiro de Minas, da cidade de Picuí, Paraíba,  Marcelo Araújo Santos,  formado pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Falou sobre a mina.
Veja a reportagem: 




Setor mineral em foco com domingo espetacular.

MINERAL RARO PODE TER SIDO ENCONTRADO EM FREI MARTINHO PARAÍBA

A MINA ESCOLA EM SANTA LUZIA PODE SER USADA PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DE MINERAÇÃO.

A Mina Escola  fica  localizada as margens da BR-230 que corta o Sertão do Estado da Paraíba, quem passa pela cidade de Santa Luzia com destino à  Patos ou de Patos destino à Campina Grande,  consegue ver suas instalações.
Segundo o técnico em Mineração Antônio de Pádua Sobrinho, a Mina Escola   apesar de está desativada continua sendo um  verdadeiro laboratório podendo  ser utilizada para a realização de  aulas práticas para  estudantes de Engenharia de Minas, de Geologia, e de técnicos em mineração ou até mesmo como ferramenta para projetos que buscam o desenvolvimento da Mineração no Estado. “Percorrendo as instalações da Mina é possível observar que muitas aulas podem ser ministradas no local, como de Geologia, Lavra, desmonte de rochas e beneficiamento de Minérios, ou quem sabe utiliza-la  para o turismo,tendo em vista o seu valor histórico e cultural,  em sua maioria desconhecido pelas gerações mais jovens,  seria  uma forma de preserva esse patrimônio  como acontece em algumas M…