Pular para o conteúdo principal

ADERÊNCIA E CUMPRIMENTO – UM ESTUDO DE CASO. POR JONY PERTERSON

Pessoal como vão? Pois bem o artigo desta semana é resultado de discursões com diversos profissionais de mineração em relação ao que foi planejado e o que realmente foi lavrado para cumprimento do plano.
Em outro artigo (http://sobrinhopicui.blogspot.com.br/2016/08/indicadores-chave-de-desempenho-por.html) já abordamos sobre plano de lavra e vimos que quando se planeja uma lavra são levados em consideração diversos parâmetros.

Um dos principais é a premissa de volume de produção, ou seja, quando deve sair da mina para atender a produção, seja ela anual, semestral ou qualquer unidade temporal. O planejador irá utilizar esta premissa e vai planejar o melhor local para obter a melhor relação econômica na lavra. Esta seria a ordem correta de trabalhos onde o planejamento indica um avanço ou cava. E a operação da mina executa a lavra neste local.

Ao final do plano deve-se avaliar o que foi planejado com o lavrado, esta análise chama-se aderência e cumprimento ao plano de lavra. A aderência mede a área onde foi lavrado dentro do planejado. Já o cumprimento mede a quantidade lavrada também de acordo com o planejado.
Observem as situações abaixo:



Considerando que a linha azul é o planejado e o verde o que foi realizado. No caso A,  fiquei totalmente dentro do planejado; já no caso B lavrei uma parte dentro do planejado e outra parte fora do plano. No caso A fiquei 100% aderente e no caso B, aproximadamente 80%.
Vamos pensar no caso C abaixo: meu planejado continua sendo o azul e o realizado continua sendo verde, continua-se dentro do plano, ou seja, estou 100% aderente, mas nota-se que o realizado é muito inferior ao planejado.



            Analisando o caso D: planejou-se em um local e realizei em outro, logo a aderência é zero e o cumprimento é zero também, pois o cumprimento mede o volume executado dentro do plano.



Só existem estes conjuntos de análise.
Vamos agora pensar um pouco em um caso prático.
Considere o exemplo abaixo, trata-se de um perfil de uma bancada. A linha azul é a topografia inicial, a vermelha é o limite planejado e o verde foi o que efetivamente foi lavrado. De acordo com a imagem estamos totalmente dentro do plano, ou seja, a aderência foi 100%. Porém foi lavrado a mais em todos os bancos: pela definição o cumprimento ficou 100%, pois cumpri o plano, correto? A resposta pode ser sim e não.



De acordo com o ponto de vista da definição matemática, foi lavrado dentro do plano e lavrou a mais que o plano desejava. Pela definição de área e volume, a aderência é 100% e o cumprimento também é 100% , pois foi lavrado a mais.
Mas segundo o ponto de vista de planejamento, realmente foi aderente ao plano? Não fugiu das bancadas planejadas, mas o plano previa um volume e foi feito a mais, isso é realmente foi cumprido o plano? Os limites operacionais planejados não foram respeitados, isso deve impactar nos cálculos?
Essas perguntas podem e devem gerar discussões, entre planejamento e operação, a fim de se criar regras de controle dos índices de aderência e cumprimento. Os valores gerados devem demonstrar uma situação real da mina para criação de um planejamento estratégico ou plano de ação de correção.
Portanto, pessoal, quem quiser entrar nessa área de analisar o planejado e o realizado, abra a mente para algo a mais que as porcentagens geradas. Entendam que cada caso é um caso e criem regras bem definidas para que enquadrem todos os casos.



Espero que tenham gostado do artigo e qualquer dúvida favor enviar um e-mail para jony_lima@yahoo.com.br e do mais até a próxima.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(VIDEO) ENGº DE MINAS DA CIDADE DE PICUÍ FOI DESTAQUE NO DOMINGO ESPETACULAR

Em Pindobaçu (BA), conhecida como a capital mundial da esmeralda, garimpeiros encontraram recentemente uma preciosidade que pode valer dezenas de milhões de reais. Trata-se de uma rocha de 1,30 m e 365 kg, cravejadas de esmeraldas, um verdadeiro tesouro geológico debaixo do solo brasileiro. O Domingo Espetacular entrou na mina de origem da pedra e mostra qual deve ser o destino dela. Acompanhe! Na o ocasião o   Engenheiro de Minas, da cidade de Picuí, Paraíba,  Marcelo Araújo Santos,  formado pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Falou sobre a mina.
Veja a reportagem: 




Setor mineral em foco com domingo espetacular.

MINERAL RARO PODE TER SIDO ENCONTRADO EM FREI MARTINHO PARAÍBA

A MINA ESCOLA EM SANTA LUZIA PODE SER USADA PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DE MINERAÇÃO.

A Mina Escola  fica  localizada as margens da BR-230 que corta o Sertão do Estado da Paraíba, quem passa pela cidade de Santa Luzia com destino à  Patos ou de Patos destino à Campina Grande,  consegue ver suas instalações.
Segundo o técnico em Mineração Antônio de Pádua Sobrinho, a Mina Escola   apesar de está desativada continua sendo um  verdadeiro laboratório podendo  ser utilizada para a realização de  aulas práticas para  estudantes de Engenharia de Minas, de Geologia, e de técnicos em mineração ou até mesmo como ferramenta para projetos que buscam o desenvolvimento da Mineração no Estado. “Percorrendo as instalações da Mina é possível observar que muitas aulas podem ser ministradas no local, como de Geologia, Lavra, desmonte de rochas e beneficiamento de Minérios, ou quem sabe utiliza-la  para o turismo,tendo em vista o seu valor histórico e cultural,  em sua maioria desconhecido pelas gerações mais jovens,  seria  uma forma de preserva esse patrimônio  como acontece em algumas M…